domingo, 23 de agosto de 2015

COLESTEROL ALTO: UM GRANDE INIMIGO DO CORAÇÃO!



O Colesterol é um tipo de gordura que circula na corrente sanguínea e que em excesso, aumenta o risco de todas as doenças cardiovasculares, como o acidente vascular cerebral (Derrame), a insuficiência renal, a insuficiência vascular periférica e a insuficiência coronária (Angina de peito e o infarto). Cerca de 70% do colesterol presente na circulação é sintetizada pelo próprio organismo.
O colesterol é essencial para algumas funções do organismo, já que ajuda na regeneração dos tecidos, dos ossos, na produção de hormônios sexuais e de vitamina D. 
Basicamente há dois tipos de colesterol:
LDL colesterol: conhecido como "ruim", pois ele pode se depositar nas artérias e provocar o seu entupimento.
HDL colesterol: conhecido como "bom", pois retira o excesso de colesterol para fora das artérias, impedindo o seu depósito e diminuindo a formação da placa de gordura.
De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, os níveis ideais de colesterol no sangue devem ser: LDL abaixo de 70 mg/dl e HDL acima de 100 mg/dl.
A alimentação é uma importante fonte de colesterol - e a qualidade dos hábitos alimentares é fundamental para controlar os níveis de gordura no sangue. Para garantir que o colesterol não prejudique a saúde, é essencial evitar o consumo de gorduras saturadas (laticínios, leite integral, queijos de coloração mais amarela, manteiga e requeijão, além de carnes gordas, como lombo de porco, picanha, cupim e embutidos) e ingerir alimentos ricos em fibra.
Praticar atividade física e parar de fumar também ajuda a controlar o colesterol, reduzindo os níveis de LDL e aumentando os de HDL.

Determinação e Fé na Eterna Luta pela Vida!

domingo, 9 de agosto de 2015

O QUE É IMPORTANTE SABER SOBRE PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES?

As doenças cardiovasculares, de um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos, portanto não afetam apenas o coração, mas podem acometer o sistema nervoso central, os rins e a circulação arterial periférica.
As doenças cardiovasculares são responsáveis por cerca de 30% das mortes no Brasil a cada ano. Em 2013 mais de 300 mil pessoas faleceram de infarto agudo do miocárdio ou de acidente vascular cerebral.
Cerca de 60% dessas vítimas são homens, ao redor dos 55 anos de idade. O Brasil já está entre os países com maior número de mortes por doenças cardiovasculares, e até 2030 poderemos nos tornar o país com maior número de portadores de doenças cardiovasculares.
Estes números são estarrecedores, pois mostram que viveremos em breve uma epidemia de doenças cardiovasculares no Brasil, acometendo sobretudo adultos jovens, em sua fase mais produtiva da vida, podendo levá-los a morte ou deixando sequelas incapacitantes, com enorme impacto pessoal, familiar, social e previdenciário.
Na maioria das vezes observa-se um aumento progressivo de placas de gordura e cálcio no sistema arterial, o que vai dificultando progressivamente a passagem do sangue.
Há dois componentes sobrepostos no desenvolvimento da aterosclerose, o genético e o principal, que é o comportamental. 
A idade e a história familiar aumentam o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Estes dois fatores não são evitáveis.
Contudo, existe um outro conjunto de fatores de risco individuais modificáveis e que estão, sobretudo, ligados ao estilo de vida atual, cada vez mais urbano.
  • Tabagismo - Principal causa de mortes evitáveis no mundo, metade das quais devido à aterosclerose. Os efeitos do tabagismo sobre o sistema cardiovascular são catastróficos, sobretudo nas mulheres que usam anticoncepcionais orais. Neste subgrupo o risco de infarto agudo do miocárdio aumenta de seis a oito vezes. A interrupção do tabagismo, a qualquer momento é isoladamente a medida preventiva mais importante para as doenças cardiovasculares.
  • Sedentarismo - A inatividade física é hoje reconhecida como um importante fator de risco para as doenças cardiovasculares, acometendo número cada vez maior de jovens. A pratica rotineira de atividade física, por uma hora, pelo menos 03 vezes por semana é fundamental, devendo-se evitar o frio ou calor excessivos. Use roupas leves, faça aquecimento, alongamento muscular e comece progressivamente. A qualquer sintoma anormal, como cansaço, dor ou palpitação, pare imediatamente. Neste caso, procure a orientação do seu cardiologista. É importante salientar que pessoas que não praticam esporte regularmente devem fazer uma consulta médica para afastar a possibilidade de existência de doença cardíaca.
  • Obesidade e Diabete Melito – Dois fatores de risco frequentemente associados e mutuamente influenciáveis. O excesso de peso, sobretudo da “gordura abdominal”,  aumenta o risco de desenvolvimento de todas as doenças cardiovasculares e do próprio diabete melito, que por si só já é um grande fator de risco.
  • Maus hábitos alimentares – A alimentação inadequada está associada a ocorrência de diversas doenças cardiovasculares, pois interfere direta e indiretamente na ocorrência e agravamento de vários fatores de risco, como obesidade, dislipidemia (colesterol elevado), diabete melito e hipertensão arterial sistêmica.
  • Dislipidemia (Colesterol Elevado) – Inicialmente é importante que se saiba que colesterol é fundamental ao corpo humano. O problema é quando sua dosagem total está elevada no sangue, ou quando a fração, chamada de mal colesterol (LDL) está elevada ou ainda quando o bom colesterol (HDL) está baixo demais, ambos são prejudiciais a saúde. O excesso de triglicérides também está associado a um aumento do risco de doenças cardiovasculares, sobretudo em mulheres. O controle dos hábitos alimentares é fundamental para o controle adequado nos níveis de colesterol. Deve-se evitar, em princípio, qualquer tipo de gordura animal, e também verificar a forma de preparo das refeições. É fundamental reduzir o consumo das carnes vermelhas, abolir a gema de ovo e aumentar carnes brancas e peixes. Deve-se abolir as frituras, preparando os alimentos assados ao forno, cozidos, ou grelhados. Os óleos recomendados são os vegetais, em especial o de milho, de girassol ou de canola e o de oliva. Recomenda-se aumentar a ingestão de fibras como aveia e granola e praticar exercícios físicos com frequência.
  • Hipertensão Arterial – A definição atual é de pressão arterial sistólica (“máxima”) superior ou igual a 120 mm Hg (milímetros de mercúrio) e/ou valores de pressão arterial diastólica (“mínima”) superiores ou iguais a 80 mm Hg. A hipertensão arterial está associada a um maior risco de doenças cardiovasculares, particularmente o acidente vascular cerebral.
  • “Stress” - stress é inevitável enquanto vivemos, sendo uma consequência do ritmo de vida atual.
O mais indicado quando se trata de doenças cardiovasculares é a prevenção. As pessoas devem se habituar a procurar rotineiramente um médico, mesmo que estejam assintomáticos para medir pressão arterial, dosagem da taxa de açúcar no sangue e do colesterol, controle de peso, orientação nutricional, etc. A visita regular é fundamental para serem identificados os fatores de risco.
Homens a partir dos 40 anos de idade e mulheres a partir dos 45 devem passar por uma avaliação cardiológica anualmente.
Uma consulta inicial englobaria além da obtenção dos hábitos de vida, do histórico familiar, do exame físico completo, a solicitação de alguns exames simples: Eletrocardiograma de repouso, radiografia de tórax, dosagens de glicose e colesterol.
Nos pacientes com histórico de tabagismo, diagnóstico precoce de diabete melito, hipertensão arterial sistêmica, colesterol elevado ou história familiar de doença cardiovascular, os exames deveriam começar maos cedo (05 anos antes) e ter um acompanhamento mais frequente. 
Uma alimentação saudável, rica em fibras, frutas, verduras, legumes, grãos, consumo leve de alcool e alimentos pobres em gorduras "trans", contribui para o controle do peso, da dislipidemia, do diabete melito e da hipertensão arterial, reduzindo o risco de doenças cardiovasculares.

Determinação e Fé na Eterna Luta pela Vida!

domingo, 2 de agosto de 2015

ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA REALIZA A 7º EDIÇÃO DO PRÊMIO DOUTOR CIDADÃO

Instituído em 2004, o prêmio reconhece ações sociais criadas por profissionais da área médica, médicos ou acadêmicos de medicina, que atuem na parte educacional, de assistência social, meio ambiente e saúde do Estado de São Paulo. O objetivo é valorizar aqueles que buscam contribuir com melhorias sociais por meio de serviços prestados à população.
A escolha dos vencedores é feita por uma comissão julgadora, com base em critérios que levam em conta o impacto da atuação dos candidatos nas políticas públicas de saúde, resultados, metas de curto e médio prazo, número de pessoas atendidas e relação custo x benefício da ação.
A premiação é dividida em três categorias: Acadêmicos da Medicina, Médicos – Pessoa Física e Médicos – Pessoa Jurídica. Os prêmios variam de R$ 3.000 a R$ 13.000. A comissão julgadora também selecionará um projeto para receber o Prêmio Incentivo, no valor de R$ 2.000.
Além da ajuda financeira, o prêmio Doutor Cidadão pretende dar visibilidade e notoriedade aos trabalhos desenvolvidos pelos médicos, valorizando essas ações.
Os projetos devem ser entregues na sede da APM, na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, 278, 1º andar, em São Paulo. A inscrição é gratuita e deve ser feita pelo idealizador ou representante da ação.
A solenidade de anúncio de vencedores e premiação ocorrerá em 6 de novembro, no Auditório Nobre da Associação Paulista de Medicina.
Fonte: Agência FAPESP 

Determinação e Fé na Eterna Luta pela Vida!